Combate às fraudes

Força-Tarefa prende mulher reincidente em crimes previdenciários

Publicado: 09/10/2019 12:30
Última modificação: 09/10/2019 12:30
Ação garantirá economia de cerca de R$ 330 mil em futuros pagamentos indevidos que deixarão de ser feitos

A Força-Tarefa Previdenciária cumpriu, na terça-feira (8), um mandado de prisão preventiva e um de busca e apreensão na cidade de Garanhuns, em Pernambuco. A ordem foi contra uma mulher que já havia sido presa em flagrante, situação em que ela se passava por titular de dois benefícios, apresentando documentos falsos.

Segundo dados obtidos pela Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista (CGINT) da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, a ação possibilitará uma economia de pelo menos R$ 330 mil, em pagamentos futuros que seriam realizados. Nessa projeção, é considerada a expectativa de sobrevida atual dos beneficiários, conforme tabela de mortalidade do IBGE (2016).

Histórico – A ação de hoje foi fruto de investigações feitas após duas prisões em flagrante, envolvendo essa mesma mulher. Na primeira prisão (10/4/2019), a falsária foi detida na Agência da Previdência Social de Escada (PE). Ela estava no local solicitando a reativação de um benefício assistencial cessado, com a utilização de documentos falsos. A mulher chegou a admitir à Polícia Federal que, desde 2009, vinha se passando por diferentes pessoas no intuito de requerer e receber benefícios no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Já na segunda prisão em flagrante (6/5/2019), menos de um mês após o primeiro flagrante, duas pessoas compareceram à Caixa Econômica Federal de Camaragibe (PE) para tentar sacar uma aposentadoria por idade. O atendente do banco desconfiou da documentação apresentada e acionou a Polícia Civil. Na ocasião, a dita beneficiária – que acabou presa nesta terça-feira (8) – conseguiu fugir do local, tendo sido detida apenas a acompanhante.

Informações para a imprensa
Assessoria de Comunicação
(61) 2021-5109
Secretaria de Previdência
Voltar para o topo