FORÇA-TAREFA

Servidor do INSS é acusado de fraudar 120 benefícios previdenciários

Publicado: 03/07/2019 09:13
Última modificação: 03/07/2019 13:02
Atual gerente da Agência da Previdência em Carangola (MG), o servidor cobrava propina para conceder as aposentadorias irregulares

A Força-Tarefa Previdenciária deflagrou, nesta quarta-feira (3), a operação Virtus, com o objetivo de combater crimes de corrupção e de fraude na concessão de benefícios previdenciários em Carangola (MG). Durante a ação, foram cumpridos dois mandados de prisão preventiva e quatro de busca e apreensão, expedidos pela 1ª Vara Federal de Manhuaçu/MG. A Justiça determinou ainda o sequestro de bens imóveis, veículos e ativos financeiros em nome dos envolvidos.

Uma auditoria realizada pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) revelou que, de 2017 até este ano, o gerente da Agência da Previdência Social de Carangola concedeu cerca de 120 benefícios previdenciários com indícios de fraude. Dentre as irregularidades identificadas estão benefícios concedidos sem agendamento e sem a formalização do processo concessório, além da inclusão de falsas contribuições e de falsos períodos de trabalho rural.

O servidor contava ainda com a parceria de um contador da cidade, o qual captava os clientes interessados em se aposentar. Ele fazia a intermediação entre os supostos segurados e o servidor do INSS, que concedia os benefícios mediante o recebimento de propina.

O prejuízo com os 120 benefícios irregulares é de aproximadamente R$ 2,5 milhões. Com a cessação desses benefícios, haverá uma economia de R$ 41 milhões, considerando que os supostos beneficiários continuariam recebendo as aposentadorias caso a operação não tivesse ocorrido.

As pessoas beneficiadas pelas fraudes terão suas aposentadorias revisadas pelo INSS e serão obrigadas a ressarcir a União pelos valores indevidamente recebidos, sem prejuízo da responsabilização criminal cabível.

A operação contou com a participação de 16 policiais federais e dois servidores da Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista (CGINT) da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia. Recebeu o nome de Virtus, em alusão a um dos significados da palavra, relacionado a poder, uma vez que o servidor envolvido na fraude se valia da senha máster de gerente para praticar as fraudes.

Informações para a imprensa
Camilla Andrade
(61) 2021-5109/5009
Secretaria de Previdência
Voltar para o topo