MG: Reabilitação Profissional ajuda segurado a reconstruir sua vida

Publicado: 09/03/2016 14:55
Última modificação: 09/03/2016 14:55

De Montes Claros (MG) – O segurado Uarlisson Pereira da Silva chegou à Reabilitação Profissional do INSS aos 27 anos, em setembro de 2013, depois de um acidente de trabalho com uma serra elétrica para o corte de madeira.

Como consequência, Uarlisson  teve  que amputar os dedos da mão esquerda. Desanimado, achou que teria poucas chances no mercado. Mas, graças ao próprio esforço e à dedicação dos profissionais da Agência da Previdência Social de São Francisco, no norte de Minas Gerais, ele viu sua vida passar por mudanças que não imaginava.

No programa de reabilitação, o segurado tentou inicialmente a readaptação na empresa em que mantinha vínculo empregatício, o que não foi possível devido à sua baixa escolaridade – 7ª série incompleta. “Diante da negativa da empresa, explicamos ao segurado tudo o que norteava o processo de reabilitação profissional (RP), inclusive a necessidade da melhoria da escolaridade”, conta a assistente social Carla Pereira da Silva, responsável pela orientação profissional na Agência de São Francisco.

No início, o segurado demonstrou-se arredio e insatisfeito com a possibilidade de voltar a estudar. Ele achava que seria uma tentativa frustrada, já que havia interrompido os estudos há muito tempo.

Depois de muita conversa, o segurado aceitou retornar à escola. Em pouco tempo, passou a demonstrar muita satisfação com os estudos, retomados no nível fundamental. Graças à sua dedicação, ele já se encontra no segundo ano do Ensino Médio, na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (EJA).

“Depois do acidente como esse que sofri, pensei que não faria mais nada. A RP foi ótima, não imaginei que seria assim. Tive muita dificuldade para aprender a escrever com a mão direita porque sou canhoto, mas, com o apoio que recebi do INSS, eu consegui”, relata o segurado.

Concurso – Ao tomar conhecimento de um concurso público da prefeitura local, a Reabilitação Profissional estimulou Uarlisson a se inscrever. O segurado conseguiu a segunda colocação no cargo de auxiliar de Serviços de Educação Básica, que tinha duas vagas destinadas ao Programa Nacional Biblioteca na Escola (PNDE).

A previsão é que ele tome posse em breve. “Não vou parar por aqui, vou seguir os meus estudos e buscar sempre melhorar. Essa é a minha meta”, afirmou.

Para a assistente social Carla Pereira, esse caso é um grande exemplo do quanto a Reabilitação Profissional é um processo que procura encontrar soluções. “Vislumbrar a sua capacidade, a vontade de reconstruir histórias e chegar a novos horizontes são a chave para o sucesso”, analisa. (ACS/SRII)