COMBATE À FRAUDE: Operação afasta servidores da Funai em Roraima

Publicado: 09/09/2015 10:00
Última modificação: 10/09/2015 09:32

Eles são acusados de participação em esquema que fraudava benefícios rurais

Da Redação (Brasília) –  Uma operação da Força Tarefa Previdenciária, deflagrada na manhã desta quarta-feira (9) em Boa Vista (RR),  afastou sete servidores públicos da Fundação Nacional do Índio (Funai). Eles são acusados de fraudar documentos e sistemas para concessão de benefícios previdenciários rurais.

Além dos afastamentos, foram emitidos 13 mandados de busca e apreensão e 11 de condução coercitiva. Os servidores estão sendo interrogados agora, na Polícia Federal, sobre as práticas criminosas.

As investigações começaram há um ano, com a suspeita de irregularidades em requerimentos de benefícios de segurados especiais. Foi detectado que os servidores da Funai  emitiam certidões falsas de tempo de exercício de atividade rural. Alguns desses documentos foram emitidos com referência ao nascimento do segurado, ou seja, atestando que desde que nasceu o segurado exercia atividade rural. Houve a participação de servidores do INSS que acontecia no processo de concessão dos benefícios, inserindo esses dados no sistema da Previdência Social

O Ministério da Previdência Social, juntamente com a Polícia Federal, levantou  um prejuízo aproximado, com a atuação criminosa, de R$ 360 mil. No entanto,  com a operação, evitou-se um prejuízo de mais R$ 346 mil, em benefícios que já foram indeferidos pelo INSS.

Os acusados irão responder por formação de quadrilha e inserção de dados falsos em sistemas do governo. As penas podem chegar a oito anos de prisão, além do dever de ressarcir os cofres públicos.

A Operação desta quarta-feira foi denominada de “Falsitas” em alusão à etimologia grega da palavra falsidade.

A Força Tarefa Previdenciária é composta pelo Ministério da Previdência Social, Polícia Federal e Ministério Público Federal, com o objetivo de combater fraudes contra o sistema previdenciário. (Ascom/MPS)