COMBATE ÀS FRAUDES II: Servidora do INSS no Maranhão é afastada após operação da Força Tarefa

Publicado: 04/08/2015 10:54
Última modificação: 04/08/2015 11:05

Ação evitou um prejuízo de aproximadamente R$ 4,7 milhões

 

Da Redação (Brasília) – Uma servidora do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) foi afastada nesta terça-feira (4) das funções públicas e proibida de frequentar o ambiente de trabalho por 90 dias. Ela é acusada de envolvimento em organização criminosa que fraudava pensões por morte e benefícios assistenciais. A quadrilha foi desarticulada hoje em operação da Força Tarefa Previdenciária nas cidades maranhenses de São Luís, Paço do Lumiar e São José de Ribamar.

Além da servidora, duas pessoas foram presas preventivamente. A Força Tarefa cumpriu ainda cinco mandados de busca e apreensão e três de condução coercitiva, determinou a quebra do sigilo bancário e fiscal, o sequestro de valores e a suspensão e bloqueio do pagamento de alguns benefícios com indícios de irregularidade. Ao longo das investigações, também foram apreendidos dois veículos com valor aproximado de R$ 200 mil.

As investigações, iniciadas em fevereiro deste ano, levaram à identificação de um esquema criminoso no qual eram falsificados documentos públicos para fins de concessão de Benefícios de Amparo Social ao Idoso (BPC/LOAS) e de pensão por morte. Muitos dos titulares e instituidores eram pessoas criadas virtualmente. O grupo criminoso atuava desde 2006 com a participação da servidora, que também é investigada em outra ação da Força Tarefa Previdenciária – a Operação Duas Caras, deflagrada em setembro de 2011.

O prejuízo, inicialmente identificado em cinco pensões por morte, pode chegar a R$ 950 mil. No entanto, a Força Tarefa evitou um prejuízo superior a R$ 4,7 milhões ao suspender esses benefícios – cálculo que levou em consideração a expectativa de sobrevida da população brasileira.

A ação contou com a participação de 26 policiais federais e de dois servidores do Ministério da Previdência Social.

A operação, denominada Fim de Linha, faz alusão ao término de um esquema criminoso que estava em andamento há alguns anos e, ainda, pelo fato de quatro membros da mesma família serem titulares de benefícios de pensão por morte fraudulentos. (Ascom/MPS)

 

 

Voltar para o topo