PI: Drogas causam desemprego e prejuízos à Previdência Social

Publicado: 05/06/2014 10:22
Última modificação: 03/07/2014 17:07

De Teresina (PI)- O crescimento do consumo de drogas ilícitas no Piauí já está refletindo nos gastos da Previdência Social. Dados do Instituto Nacional do Seguro Social – INSS revelam que, no Piauí, em dez anos, cresceu em mais de 3.540% o número de segurados que se licenciaram do trabalho e receberam auxílio-doença por causa do consumo de substâncias químicas, principalmente crack e cocaína e outros psicotrópicos.

 

De acordo com os dados, no Piauí, em 2003 dois segurados receberam auxílio-doença por consumo de drogas. Em 2012 esse número chegou a 562. No ano passado subiu para 615 e somente nos primeiros quatro meses de 2014 já foi concedido o mesmo benefício a 101 segurados. No estado, em dez anos, ao todo foram beneficiados com auxílio-doença da Previdência Social, 916 segurados vítimas das drogas. Para pagar todos esses benefícios o INSS gastou mais de R$ 25 milhões. A maioria dos benefícios corresponde a um salário mínimo.

 

O consumo de drogas ilícitas não causa prejuízos ao INSS somente no Piauí. Em todo Brasil, segundo do Ministério da Previdência Social, no ano passado o INSS concedeu mais de 134,6 mil auxílios-doença para segurados com dependência de substâncias químicas em todo o País. Para bancar esses benefícios, o instituto gastou quase R$ 27 milhões.

 

O gerente executivo do INSS em Teresina, Carlos Augusto Viana, revela que, como em todo as áreas da sociedade, também no INSS há hoje uma grande preocupação com o aumento do número de segurados que se afastam do trabalho ou até mesmo perdem o emprego por conta do consumo de drogas, principalmente a cocaína e o crack.

 

“Os que se afastam temporariamente para tratamento conseguem auxílio-doença. Os que perdem o emprego vão sobreviver por alguns meses com o seguro-desemprego. Mas em ambos os casos, acabam refletindo em prejuízos para eles, suas famílias e para o poder público como um todo, já que vão onerar os gastos com saúde, previdência, segurança e assistência social. Por isso, aumento no número de auxílios-doença concedidos pelo uso de drogas ilícitas deve servir de alerta para todos os cidadãos e gestores públicos”, explica Carlos Viana.

 

Serviços – O auxílio-doença é um direito de todo trabalhador contribuinte do INSS. Para solicitar o benefício, o segurado deve ter no mínimo 12 meses de contribuição e comprovar, por meio de perícia médica, a dependência da droga que o incapacita de exercer o trabalho.

 

Para maior comodidade, qualquer pessoa que necessite de informações sobre o auxílio-doença ou qualquer outro benefício da Previdência basta acessar a Agência Eletrônica no site www.mps.gov.br ou ligar para a Central de Atendimento 135, de segunda a sábado, das 07:00 às 22:00, horário de Brasília.

 

Para agendar atendimento numa Agência da Previdência Social – APS, é necessário o segurado ter em mãos as seguintes informações: nome, data de nascimento e número de Identificação do Trabalhador – NIT ou PIS/PASEP.

 

 

Mais informações:

Luiz Brandão

(86) 3215-3005

ACS/PI