COMBATE ÀS FRAUDES: Força-Tarefa Previdenciária faz ação no interior de SP

Publicado: 26/09/2013 10:50
Última modificação: 26/09/2013 10:50

Operação investigou concessão fraudulenta de benefícios

Da Redação (Brasília) – A Polícia Federal desencadeou nesta quinta-feira (26) a Operação Corredeira, resultado do trabalho da Força Tarefa Previdenciária, composta pela Polícia Federal, Ministério da Previdência Social e Ministério Público Federal, em Campinas (SP). A investigação analisou ação de um escritório que apresentava documentos falsos para obtenção de benefícios previdenciários.

O inquérito policial iniciou-se em janeiro de 2011, a partir de relatório de informações encaminhado pelo Ministério da Previdência Social, tratando sobre intermediação fraudulenta de benefícios por um escritório de assessoria previdenciária cujas atividades se desenvolviam em Itupeva, interior de São Paulo. O período investigado foi de 2006 a 2013.

Segundo as investigações, os intermediadores, ao requererem os benefícios ao INSS, apresentavam declarações falsas de composição de renda e grupo familiar, bem como de deficiência física, a fim de confirmar os requisitos necessários à concessão de benefícios assistenciais a pessoas deficientes e a idosos.

De acordo com o Ministério da Previdência Social, o prejuízo, apurado até o momento, somente na região da Gerência Executiva do INSS em Jundiaí, é estimado em R$ 3.858.854,39. O grupo foi responsável por mais de 2.400 agendamentos. O INSS ainda está levantando o total do prejuízo causado aos cofres públicos.

A pedido da Polícia Federal, o juízo da 1ª Vara Federal de Jundiaí expediu cinco Mandados de Busca e Apreensão, para cumprimento nas cidades de Itupeva e Cajamar.

Os investigados serão indiciados pelo crime de estelionato qualificado contra a Previdência Social, cuja pena é de 1 a 5 anos de prisão, pena esta aumentada em um terço porque cometida em detrimento do INSS.

O nome da Operação faz referência ao significado da palavra Itupeva em tupi-guarani.